Monday, July 14, 2014

Alemanhã: Respeito e admiraçao

Antes de mais nada tenho que dizer que não sou louca por futebol. É importante você saber isso. Assisti o jogo de abertura do Brasil na Copa. Além desse jogo, assisti os 15 últimos minutos da lavada que a Alemanhã nos deu na última terça-feira. Fiquei abismada quando o streaming começou no site da RTE e vi o placar: Brasil 0 x 6 Alemanhã.

Entretanto, vinha seguindo a Copa por intermédio de notícias, opiniões de amigos e familiares no Facebook e alguns comentaristas*. Agora sou fã das rodadas de comentários após as partidas. Talvez por que Bill O'Herlihy, John Giles, Liam Brady e Eamon Dunph são bons no que fazem e sabem a hora de calar. Bem, exceto o último, risos.

Enfim, acompanhei a novela do Suarez como todo mundo, mas o que mais me marcou foi o que li há algum tempo sobre a seleção da Alemanhã ter construído seu próprio centro de treinamento porque nenhuma estava de acordo com os padrões deles. Na verdade, quando vi as fotos do centro na Bahia, eu achei que era montagem. Sério! 



Outro ponto que me chamou minha atenção foi o enfoque que deram na simpatia de David Luiz. Como ele consolava os derrotados. Já os alemães... Naqueles 15 minutos que os vi atuando lembrei de nós mesmo em campo anos atrás. Concentrados na bola e comandando o jogo de tal forma que fazia o time do Brasil  de hoje parecer um time juvenil. O Brasil não se empenhava. Não jogava. Não acreditava que tinha chances de ganhar. Bem, considerando o placar naquela altura não era para menos, mas pelo o que escuto foi assim desde o começo daquela partida.

Após nossa derrota li que os jogadores alemães tinham combinado no vestiário, durante o jogo, que manteriam o respeito pelo Brasil isentando-nos de aturar um sarro por parte deles, até porque eles já sentiram na pele o que é perder a taça em casa. Isso de acordo com palavras deles, não apenas de fatos, pois sinceramente nem lembrava mais disso. 

Tenho grandes dúvidas que nós teríamos tido a mesma atitude se tivéssemos tirado a taça das mãos dele na Alemanhã. Nossa atitude é ganhamos, dane-se o resto. Somos os melhores e pronto. Bem, éramos, e já faz um tempinho que éramos os melhores mesmo. A ficha tem que cair para todo mundo para haver transformação no nosso futebol. A ficha caiu na Alemanhã no passado. Eles identificaram os problemas e os contornaram. Tanto é que vão levar a taça para casa.

Quem acreditou que o Brasil ganharia, agora está chupando o dedo. Decerto pouco se importa se os alemães deixaram seu jeito reservado de lado e caíram na nossa folia e sorriem de orelha a orelha como a gente sempre faz. Se o nosso governo resolveu gastar bilhões com estádios a culpa não é deles. Eles até fizeram o que podiam, deixaram o centro de treinamento deles para a gente usar como escola. Eles não sabem, mas nos deram um tapa com luva de pelica. São superiores no futebol e na questão social. Sem falar que foram inteligentes ao escolher a Bahia para treinar. Quem se aclimatiza na Bahia sofre menos em BH, Brasília, etc.

Tá...pra terminar eu só vou dar um palpite e não é técnico porque não vou falar sobre o que não sei. Vou falar sobre o vi nas duas últimas Copas: despreparo emocional. "Nosso meninos" tem que ter acompanhamento psicológico desde a convocação para a Copa quer tenha técnico grosseiro ou não. Imagina o peso de usar uma camisa da seleção. Digo, jogar para o Brasil durante a Copa. Tudo bem que nós somos muito mais emotivos que, digamos, os europeus, mas algumas cenas que vi (em vídeos após os jogos) beiram o ridículo.


*

No comments:

Post a Comment

Obrigada pelo seu comentário. Thank you for your comment.