Friday, July 15, 2011

O lado positivo da recessão irlandesa

Observando o tamanho de qualquer hamburger do SuperMacs, a versão irlandesa do MacDonald's, você conclui que as porções servidas em fastfoods cresceram. Contudo não é de um fastfood que voltamos há pouco, mas de um restaurante de boa reputação que serve frutos do mar, que fica no final da nossa rua. 

Porque o restaurante é muito perto daqui e entrega onde moramos, eu não vou dizer o nome no post, mas fique à vontade para me perguntar via DM (twitter) ou email (contact). Meu lema é que basta um louco para enfernizar a sua vida. Assim, tenho cuidado.

Enfim, esse restaurante oferece uma refeição com entrada e prato principal (2 course meal) por 10.95 ou R$24,00 e com entrada, prato principal e sobremesa (3 course meail) por 19.95 ou R$44,00. Não sei se você teve a oportunidade de ler os comentários do post Brasília é oficialmente cara pra dedeu. Lá Ernani Lemos nos conta que não é incomum encontrar pizzas por R$50,00 em São Paulo, que diga-se de passagem, é uma cidade cara, e por isso, entrou no ranking das 50 cidades mais caras [do mundo] para se viver de 2011.

Antes do estouro da recessão já podia-se comer um pizza irlandesa de 30.5 cm  num pub/restaurante [mais em conta que restaurantes], como o Garveys, no centro de Galway, por 12 ou R$27. Se antes já havia opções em conta, agora há ainda mais no que se refere à comer fora de casa. Sites do estilo do Groupon, como o Living Social, que oferecem vouchers com descontos facilitam ainda mais a vida de quem gosta de fazer o seu dinheiro valer.

Sim. Já ía me esquecendo. Os meus pratos hoje foram sopa cremosa de vegetais com um scone integral e massa assada de vegetais. Estou natureba hoje. O Pete comeu pão de pasta de alho de entrada e fish & chips como prato principal. Ambos os pratos vieram com uma saladinha. É como se as entradas fossem de graça porque a massa custava quase 10 e o fish & chips custava 12.95. Eu teria ficado satisfeita apenas com a sopa e o scone.

Dublin people

A recessão ainda tem outras vantagens:
  • Queda dos preços dos alimentos nos supermercados
  • Queda dos preços das bebidas nos pub. 3.90 no The Crane.
  • Queda do preço das roupas nas lojas
  • Aluguéis reduzidos
  • Restaurantes menos cheios, o que é uma grande vantagem se você quer jantar em Temple Bar (Dublin). Principalmente se você não tiver feito reservas, o que antes era correr um grande de risco de acabar num Burger King
  • Maior contato com irlandeses no comércio, pois agora há mais deles trabalhando em empregos antes dominados por estrangeiros
  • Mais programas culturais gratuitos
  • Pubs menos lotados. Aqui é normal as pessoas tomarem todo o espaço em volta das mesas e do bar e conversarem em pé até ficarem ombro com ombro
  • Ótima fase para se visitar a Irlanda!

2 comments:

  1. Muito bom, Ana! Concordo com todos esses aspectos. Além de ser saudável ver o lado positivo de uma crise, é inteligente saber aproveitá-la dessa forma. Seria bom se não precisássemos esperar por problemas financeiros para algumas cidades brasileiras começarem a diminuir os preços, né?
    Bjos

    ReplyDelete
  2. Com certeza, mas parece que são como namorados(as) deseperados(as). Só resolvem melhorar quando temem perder a pessoa, no caso, os consumidores.
    Abs

    ReplyDelete

Obrigada pelo seu comentário. Thank you for your comment.