Thursday, March 06, 2008

Retorno a Gort e Experiência Surreal

Trabalho: Hoje estive em Gort novamente, o vilarejo a 45 min. de Galway onde ¼ da população - cerca de 700 pessoas - é composta por brasileiros, para intermediar outro encontro entre assistente social e mãe brasileira de recém-nascido. A paciência das assistentes sociais é algo fenomenal. A de hoje preencheu 2 formúlarios para a moça conseguir benefício para o filho e cartão médico para ambos. 

Durou 1h30. Como passei pela famosa Real Brazil, a loja com produtos brasileiros, eu não resisti . Comprei: biscoito de polvilho, guaraná, doce de leite, biscoito Bono floresta negra, pacotinho com pó para fazer maria mole de morango e côco, pacotinho com pó para fazer curau de milho, farofa de mandioca, pacotinho com pó para fazer pão de queijo, Bis, goiabada e até um pacote de pipoca de microondas e chá de boldo! A loja é um paraíso para quem está fora do Brasil.

Experiência surreal: Tudo teria sido perfeito em Gort, se não fosse a minha companhia na volta para Galway. O senhor na primeira poltrona viu que eu ía sentar atrás dele e pediu para eu sentar ao seu lado para conversarmos.

Vocês não imaginam as atrocidades que ele falou sobre as mulheres brasileiras. Resumindo, ele disse que as brasileiras que moram em Gort fazem programa à noite enquanto seus maridos ficam sentados no sofá em casa. 

Ele disse 3 vezes que é um politico local, mas ele não tem porte para isso. Depois que liguei para o Pete avisando que estava chegando, esse homem disse que era um absurdo o Pete não vir ao meu encontro.

Eu disse "Nós não nos vemos há apenas 3 horas"*.Então, ele disse que eu não deveria ter relações com ele esta noite, que eu não devo deixar ninguém tirar proveito de mim e que o Pete tem me pagar todas as vezes que tivermos relações. Eu disse “Ele é meu marido” para não dizer coisa muito pior para aquele homem. Ele ainda disse que se fosse solteira ele se casaria comigo amanhã de manhã. Como seu eu quizesse, né!

Ah! "Eejit" é a gíria para "idiota" na Irlanda. Achei que viria a calhar.

7 comments:

  1. Jesus, que velhinho sem noção!
    Eu ODEIO ficar de papo com desconhecidos! Uma vez, voltando do colégio, uma senhora sentada ao meu lado começou a falar da filha dela, que estava se separando e não sei mais o que...enfim, a velhinha falou tanto no meu ouvido que tive que descer 2 pontos depois do meu! Depois desse dia nunca mais dei papo pra ninguém nessas situações!

    Beijos

    ReplyDelete
  2. Esqueci de comentar...
    Fez a festa na lojinha de produtos brasileiros, hein!
    Esse Bono Floresta Negra eu não experimentei ainda mas acabei de comer o de Chocolate Branco e não gostei muito não :/
    Depois diz o que o Pete achou do pão de queijo!!!

    Beijos

    ReplyDelete
  3. Oi Letícia!
    Há pessoas idosas que gostam de conversar com estranhos porque são muito sozinhas...
    Não gostei do Bono Floresta Negra.
    Eu trouxe um saquinho com pó para pão de queijo quando vim do Brasil, mas eu coloquei muita água e não ficou legal. O aspecto ficou de dar dó, mas o Pete comeu. Espero que desta vez eu acerte na medida para eles ficarem bem crocantes. Depois te falo o que ele achou, então. ;)
    Bjos

    ReplyDelete
  4. Como não gostou do Bono floresta negra? Pode ser terrível, mas como é um Bono vc tem que gostar Ana...oras!!!
    Se fosse comigo eu mandava o velhote tomar no "c" europeu dele...srsrsrsr

    Beijos em vc pelo dia de hoje e no marido pq ele é um sortudo por casar com uma mulher como vc.

    ReplyDelete
  5. OBRIGADA CRIS!!!!!
    =)

    ReplyDelete
  6. Santa Ucha! Vc foi muito paciente com o inconveniente acima. Mas sua atitude foi profissional.

    ReplyDelete
  7. Santa Ucha! Vc foi muito paciente com o inconveniente acima. Mas sua atitude foi profissional.

    ReplyDelete

Obrigada pelo seu comentário. Thank you for your comment.