Sunday, March 02, 2008

Trombose x Auto-Medicação


Ontem, sábado, fui chamada ao hospital. Quando me disseram o nome do paciente lembrei que estive com ele há uns 2 meses. A última vez ele estava com problemas respiratórios, o que ele nunca tinha sofrido quando morava no Brasil. Já ontem ele estava com o pé e tornozelos esquerdos inchados. Ele disse que isso já tinha acontecido no Brasil e que ele tomou antibióticos, pois achava que tinha artrose e ouvido dizer que antibiótico era bom para quem tem artrose. Ele não mencionou que teve inchaço da perna e pé quando esteve no hospital a primeira vez.

Desta vez, tendo todo o histórico dele, os médicos chegaram a conclusão que ele pode ter um coágulo na perna (trombose) que migrou para o pulmão (o que é comum nos casos de coágulo não tratados). Antes acharam que ele tinha asma e prescreveram inaladores para ele.

A auto-medicação, infelizmente, é muito comum no nosso país. Tudo indica que no caso desse paciente ela adiou a descoberta do seu problema de saúde, além de lhe custar vários dias de internação.

Esse paciente ficou muitíssimo preocupado, pois sempre associava a trombose com a amputação da perna, no Brasil. Os médicos disseram que isso não vai acontecer com ele, mas que ele não poderá tomar remédios vindos do Brasil (ou não prescritos) durante o tratamento, o que durará 6 meses. O seu objetivo é afinar o sangue. Enquanto isso ele deverá ficar deitado com a perna para cima o tempo todo. Só poderá ir ao banheiro para evacuar (terá que fazer xixi na garrafa no quarto). Então fica aqui o alerta àqueles que gostam de tomar remédios por conta própria.

Aproveito a oportunidade e deixo, abaixo, os cuidados para evitar a trombose (especialmente para aqueles que ficam sentados ou em pé por muito tempo dificultando o retorno do sangue ao coração ou aqueles que pretendem fazer viagens longas):

- realização de pequenas caminhadas rotineiramente a cada 2 horas;
- movimentação ativa dos pés e pernas durante o período em que permanecem sentados;
- utilização de roupas confortáveis e mais largas durante as viagens;
- beber bebidas alcoólicas com moderação;
- evitar o uso de comprimidos para dormir;
- evitar o fumo;
- utilização sob orientação e prescrição médica, de meias de compressão elástica, particularmente nas pessoas com insuficiência venosa e/ou varizes;
- em algumas circunstâncias, sob estrito controle e indicação médicas, pode ser necessária a utilização de substâncias anticoagulantes.

As pessoas com maior dificuldade de locomoção devem dar preferência às poltronas no corredor das aeronaves, ou mesmo dos ônibus, visando as caminhadas regulares, ou o deslocamento nas paradas rotineiras.

Dica final: Colocar as pernas para cima por 20 minutos todo os dias evita as varizes, então é uma boa incorporar isso na rotina (especialmente aqueles com histórico familiar de varizes).

2 comments:

  1. Prima, brasileiro tem essa pésssima mania d tomar remédio pq "fulano" falou q é bom....
    Cada organismo é único e pode reagir diferente a medicação....por isso nada d auto medicação, né?!
    Isso é perigoso, as pessoas acham q é brincadeira, e não é!
    Muito bem lembrado!
    Saudades e beijosssssss!!!

    ReplyDelete
  2. Realmente, Chel. É porque é muito fácil comprar remédio no Brasil...
    Aqui até para tomar anticoncepcional você tem que ir ao médico e pegar a prescrição antes de comprá-lo na farmácia. Inclusive fiz isso pela segunda vez na sexta, mas desta vez usei o meu cartão médico e ele foi de graça. O médico passou por 3 meses. Então, todo mês levo o papel na farmácia e quando acabar tenho que voltar a vê-lo e pegar outra prescrição. E a farmaceuta me perguntou se eu sabia usar e tudo mais... Quando falei que estou tomando amoxicilina ela também disse que durante os 5 dias que estivese tomando ele e os 7 seguintes eu estaria desprotegida do anticoncepcional e que teria que usar um método alternativo. Eles sempre nos aconselham a dizer os remédios que estamos tomando para os farmacêuticos.
    Bjos

    ReplyDelete

Obrigada pelo seu comentário. Thank you for your comment.